Sinproesemma discute com Seduc e entidades estudantis retorno de aulas presenciais

O Sinproesemma discutiu na tarde desta quarta-feira, 27, por videoconferência, o retorno das aulas na rede estadual de ensino, com a Secretaria de Estado da Educação (Seduc) e representantes de diversas entidades estudantis do Estado.

Durante a reunião, o Secretário de Educação, Felipe Camarão, apresentou um plano de ação com medidas para serem implementadas quando do retorno das atividades escolares. Segundo o secretário um novo decreto será editado pelo governo prorrogando a suspensão das aulas até o dia 15 de junho e a volta das atividades está condicionada a autorização das autoridades sanitárias.

“A intenção do Governo do Estado é discutir com todos os atores educacionais as diretrizes, estratégias e os protocolos para o retorno gradativo das aulas. Ainda não temos como determinar a data para o retorno das atividades, mas já estamos nos organizando e preparando todos para que ninguém seja pego de surpresa”, disse Felipe Camarão.

Nas diretrizes expostas, o retorno das aulas no Estado será iniciando pela graduação e pós-graduação, em seguida o ensino médio, ensino fundamental até a educação infantil; a retomada poderá ser feita de forma regionalizada, com as instituições de ensino observando os protocolos de higiene e desinfecção necessários dos espaços físicos para toda a comunidade escolar com a aquisição de kits que contenham máscaras artesanais, sabão, álcool em gel ou desinfetante a base de álcool, toalha, copo de uso individual fornecidos pelos gestores educacionais, através das secretarias de educação estadual e municipais.

Nas proposições, existe ainda a redução do quantitativo de alunos por sala, preferencialmente pela metade, a implantação do ensino híbrido que combina aulas presenciais e à distância e ainda a possibilidade de implantação do quarto ano do ensino médio, a partir de 2021, que será opcional para o aluno que quiser reforçar o conteúdo relativo ao terceiro ano do ensino médio.

Segundo o secretário de assuntos jurídicos do Sinproesemma, Henrique Gomes, a reunião foi muito esclarecedora e serviu para desmontar fake news.

“Temos consciência da reponsabilidade do Estado na preservação da vida dos cidadãos maranhenses. De forma que essa reunião serve como um ponto norteador para as discussões do retorno das atividades”, ponderou Henrique Gomes.

Já o secretário de assuntos educacionais do Sinproesemma, Amarildo Silveira, é necessário ter cautela para o início das atividades.

“Não é momento de pressa e sim de preservação da vida. É importante desenvolver e garantir protocolos sanitários para que se crie ambientes seguros e acolhedores para professores, alunos, pais e funcionários, construindo condições para que a educação possa fluir”, disse Amarildo.

Para o presidente do Sinproesemma, Raimundo Oliveira, a discussão foi importante para iniciar um debate que precisa ser maturado e que leve em consideração todas as especificidades da educação do Maranhão.

“O debate democrático proposto pela Seduc é importante para afinar todas as medidas necessárias para um retorno seguro e de forma gradativa das aulas presenciais no Estado do Maranhão. É fundamental pontuar todos os pormenores, como será feita a aquisição de kits sanitários, as regras de distanciamento, número de alunos por sala, entre outros, para que fiquem claros e que, quando as aulas voltarem, todos possam desenvolver suas atividades de forma segura”, pontuou Oliveira.