Paço do Lumiar: Categoria decide em assembleia pela volta à sala de aula; estado de greve será mantido

O Sinproesemma realizou, na tarde desta quinta-feira, 23, assembleia com a categoria de profissionais da educação pública de Paço do Lumiar. A assembleia foi convocada para definir os direcionamentos do movimento grevista, após a audiência de conciliação entre o sindicato e a gestão municipal ocorrida no Tribunal de Justiça do Maranhão (TJ-MA), na última quarta-feira (22).

A coordenação do núcleo de Paço do Lumiar e a assessoria jurídica do Sinproesemma conduziram a assembleia, detalhando o que havia sido discutido na audiência de conciliação e esclarecendo as dúvidas dos participantes. Leverriher Alencar, assessor jurídico do sindicato, falou para a categoria sobre a ilegalidade do movimento grevista – decretada por meio de liminar impetrada pela Prefeitura de Paço do Lumiar, mesmo com o sindicato seguindo todas as etapas previstas em lei, – e os desafios que surgiram após a decisão. Ele alertou ainda para os passos a serem dados após a reunião, acordada durante a audiência de conciliação, prevista para o dia 29 de maio (quarta-feira) entre o Sinproesemma e a gestão municipal em Paço do Lumiar, na sede da Secretaria Municipal de Educação (Semed).

A categoria, por sua vez, listou alguns avanços adquiridos com o movimento. Alguns deles foi a visibilidade da real situação da educação pública no município, o apoio de alunos e pais nos 58 dias de greve e, também, o destaque para o descaso da gestão pública como um todo. O secretário de Assuntos Jurídicos do Sinproesemma, Henrique Gomes, reforçou que o movimento acabou por mostrar à sociedade como a gestão em Paço do Lumiar tem sido deficitária em pastas como a educação.  “O desgaste da gestão é notório, mostramos para a sociedade o que a gestão escondia. É necessário agora que lutemos pelos nossos companheiros que saíram do movimento por necessidade e não por falta de conhecimento da causa. Não é o momento de sacrificarmos o que resta de resistência no município”, declarou.

A coordenadora do núcleo do Sinproesemma em Paço do Lumiar, Jori Mary Santos, salientou que o movimento ainda não chegou ao fim. “Ainda não terminou a guerra, ainda tem muita coisa para acontecer. Temos, no momento, que ser cautelosos, traçar estratégias para não prejudicar quem está na greve”, disse.

Por sua vez, o presidente do Sinproesemma, Raimundo Oliveira, ressaltou que a reunião do dia 29 deverá ser conciliadora, sobretudo, reparando aos profissionais as perdas do período. “É essencial que seja negociada entre as partes a reposição salarial, o abono de faltas, a reposição do ano letivo e a jornada de trabalho, para que a categoria saia com uma definição, sem incertezas”, argumentou.

Ao fim da assembleia, a categoria decidiu, em ampla maioria, pelo retorno à sala de aula na próxima segunda-feira (27), com carga horária de 26h/aula de 50 minutos (para professores de 40h) e de 13h/aula de 50 minutos (para professores de 20h),  porém mantendo o estado de greve, aguardando o resultado da reunião na próxima quarta-feira (29).

ESPAÇO DO ASSOCIADO

Pular para o conteúdo